Polícia prende namorado de jovem encontrada morta na Rocinha; perícia afirma que cena do crime foi manipulada

Read Time:2 Minute, 21 Second

De acordo com os policiais, o corpo foi movimentado e a arma colocada na mão da vítima, para simular que ela teria tirado a própria vida.

A Polícia Civil prendeu, na manhã deste sábado (23), Gabriel de Oliveira Leal, de 22 anos, namorado de Jenifer Carvalho Paes, de 19 anos, encontrada morta em uma casa da Rocinha no fim de agosto. De acordo com as investigações, ele tentou fazer com que o crime parecesse um suicídio. Porém, o trabalho dos peritos desmantelou a hipótese de que a jovem teria tirado a própria vida.

A perícia mostrou que Jenifer foi morta com um tiro disparado a curta distância. De acordo com os policiais, o corpo foi movimentado e a arma colocada na mão da vítima, para simular que ela teria tirado a própria vida.

Jenifer foi encontrada morta na casa onde vivia com Gabriel, que foi encontrado pelos policiais em Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio.

A Polícia Civil indiciou Gabriel pelos crimes de feminicídio agravado por motivo fútil, fraude processual, violência psicológica e posse de arma de uso restrito. O caso foi denunciado pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ). A Justiça do Rio de Janeiro aceitou o pedido de prisão preventiva.

De acordo com a perícia, a posição em que Jenifer estava não era compatível com a marca do disparo na parede e com o sangue no colchão.

“Havia sangue no final do colchão e a vítima foi encontrada no início dele, mostrando de forma inequívoca que Gabriel transportou o corpo da vítima e montou a cena do suicídio, colocando a arma na mão da vítima”, afirmou a delegada Flávia Monteiro, titular da 11ª DP (Rocinha).

A marca do disparo encontrada no cadáver também não é compatível com a de uma arma encostada ao corpo, como em casos de suicídio. A queimadura causada pelo disparo, conhecida como “tatuagem” é compatível com a de um tiro disparado a curta distância.

O exame residual na mão da vítima mostrou que quantidade de pólvora encontrada não é compatível com a de uma pessoa que tenha utilizado a arma do crime.

“Isso mostra de forma patente que Gabriel colocou a arma contaminada na mão da vítima para simular um suicídio”, disse a delegada.

Partículas de pele também foram encontradas nas unhas de Jenifer. O material é compatível com o de uma pessoa do sexo masculino, mostrando que houve luta corporal momentos antes do crime.

Em depoimento, Gabriel afirmou que o caso foi um suicídio e exibiu como prova um vídeo onde ele, com o próprio celular, Jenifer descontrolada e dizendo que ele não iria se livrar dela.

“Isso demonstrou que ele estava premeditando o crime pois, no mesmo vídeo, ele aparece dizendo que aquela era a última vez que a vítima falava isso para ele”, ressaltou Flávia Monteiro.

 

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Average Rating

5 Star
0%
4 Star
0%
3 Star
0%
2 Star
0%
1 Star
0%

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Previous post ‘Ele já veio na brutalidade, mandou calar a boca e me chamou de tudo’, diz motoboy que denunciou escrivão da PF por injúria e ameaça
Next post Médico é preso suspeito de estuprar criança durante atendimento em unidade hospitalar de Sorocaba