Polícia Federal prende chefe de milícia que atua na Zona Oeste do Rio

Read Time:1 Minute, 15 Second

Peterson Luiz de Almeida, vulgo Pet ou Flamengo, atua nos bairros de Sepetiba e Nova Sepetiba.

A Polícia Federal, em ação conjunta com o Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público, prendeu nesta quarta-feira (30), Peterson Luiz de Almeida, de 33 anos. Conhecido como Pet ou Flamengo, ele é um dos chefes da milícia que atua nos bairros de Sepetiba e Nova Sepetiba, na Zona Oeste do Rio de Janeiro.

O envolvimento dele com grupos milicianos foi revelada após análise de materiais apreendidos e diligências realizadas na “Operação Dinastia”, deflagrada em agosto de 2022.

Na investigação, o Gaeco apurou que ele negociava armas para o miliciano Zinho – que sucedeu Ecko depois de sua morte -, e aparece em ligações com o também miliciano Latrell – que está preso e pertence ao mesmo grupo criminoso.

A ação desta quarta foi realizada por policiais federais lotados na Delegacia de Repressão a Drogas (DRE) e no Grupo de Investigações Sensíveis e Facções Criminosas da PF (GISE/PF).

O mandado de prisão temporária foi expedido pela 1ª Vara Especializada em Organização Criminosa do TJRJ e cumprido na Rodovia Presidente Dutra, na altura do município de Paracambi, Região Metropolitana do Rio.

O preso foi levado para a Superintendência Regional da Polícia Federal no Rio de Janeiro, no Centro, e posteriormente encaminhado ao sistema prisional.

Ele responde pelos crimes de milícia privada e comércio ilegal de arma de fogo. Se somadas, as penas máximas podem atingir os 20 anos de reclusão.

 

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Average Rating

5 Star
0%
4 Star
0%
3 Star
0%
2 Star
0%
1 Star
0%

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Previous post Corregedoria da PM abre processos de expulsão dos policiais conhecidos como ‘Sem Alma’ e ‘Peixinho’
Next post Médico é acusado de agredir ex-namoradas e funcionários de prédio